AS 4 OPÇÕES MAIS COMUNS PARA APRENDER FRANCÊS

Aprender uma língua estrangeira pode ser prazeroso e tranquilo – se você usar os métodos certos

Hoje em dia, saber uma segunda língua é um desejo de profissionais, turistas e entusiastas de cultura. Por outro lado, o aprendizado dessa língua, para muita gente, pode ser um processo cansativo, demorado e pouco efetivo; não são poucas as pessoas que acreditam que não possuem talento para línguas, justamente por terem pouco progresso em seus estudos, contudo, muitas vezes as limitações da evolução com um novo idioma se devem à escolha inadequada de método, muito mais do que a incapacidade do aluno.

Atualmente, em nosso mundo altamente conectado e digital, o aprendizado de francês (ou qualquer língua estrangeira, no caso) vai muito além de livros didáticos e sala de aula. Você pode aprender online, em seu computador, no celular, em grupos de estudo, em viagens e muito mais. A melhor parte é que não existe um método que, necessariamente, seja melhor que o outro. Tudo depende do estilo e da disponibilidade de cada um. 

Sem ideia de onde começar? Pas de problème ! Veja aqui algumas opções de estudo populares e suas características, para orientar seus estudos.

  • Imersão

Muita gente precisa aprender uma língua “para ontem”, por motivos de viagem, emprego ou similares; nestes casos, a imersão é uma ótima forma de acelerar seus conhecimentos. É particularmente útil para quem precisa dominar o básico começando do zero, pois permite reforçar as estruturas essenciais da língua e praticar o uso em contextos relevantes. Exige bastante concentração do aluno, pois ele será exposto a uma ampla carga de conteúdo, o que certamente será cansativo, mas tem como vantagem os grandes avanços em tempo curto.

  • Intercâmbio

Aprender no país de origem da língua, ou onde é falada como idioma nativo, é uma excelente ideia. Perfeito para quem quer pegar fluência e aumentar a naturalidade, se espelhando na dinâmica da comunicação dos nativos, o intercâmbio também é excelente para aprender mais sobre a cultura do local. É mais indicado para quem já conhece a língua e busca aperfeiçoamento, já que o estudante vai precisar lidar com diversos contextos sociais no idioma estrangeiro. 

Uma dica importante: evite intercâmbio com muitos brasileiros ao seu redor. Embora seja mais fácil a socialização e a convivência com gente de sua própria cultura, boa parte do aprendizado está, justamente, em se adaptar ao estilo e à linguagem do lugar, por isso não perca a chance de realmente mergulhar na língua e deixar o português guardado um tempo.

  • Método de Spaced Repetition

Este método de estudo, usado por apps como o Duolingo, se baseia em repetir estímulos da língua, usando frases e contextos de complexidade crescente; com o tempo, o aluno vai lidando com exercícios mais difíceis, reforçando seus conhecimentos por meio da repetição. É bom para quem tem pouco tempo e precisa estudar de qualquer lugar (como transporte público ou intervalos de atividades) ou não consegue se concentrar por longos períodos, graças ao dinamismo e às repetições do método. Não é indicado para quem busca aperfeiçoamento, sendo mais proveitoso para estudos em nível básico.

  • Cursos

No método mais tradicional de ensino: alguém ensina diretamente o conteúdo para um ou mais alunos. Graças à tecnologia, hoje as aulas podem ser presenciais e on-line (ao vivo e gravadas); vamos analisar cada caso e ver quais suas vantagens.

O modelo mais clássico são as aulas presenciais, com professor e um ou mais alunos. Neste caso, as vantagens são a maior interatividade com o professor, maior flexibilidade da abordagem dos conteúdos durante a aula e mais interação entre os alunos. Por outro lado, é mais inflexível em termos de horário, o que pode dificultar quem tem a agenda comprometida.

Já no modelo online tem duas opções: gravado e ao vivo, sendo que você ainda pode contar com apoio de tutores. No caso de aulas gravadas, você tem maior flexibilidade de horário e local, podendo rever a aulas várias vezes, mas perde em interatividade; o uso de tutores ajuda nestes casos, já que você pode consultar um especialista diretamente para resolver dúvidas. As aulas ao vivo, por outro lado, trazem um equilíbrio entre interação e flexibilidade, já que o aluno pode assistir às aulas de qualquer lugar, pode interagir com o professor e consultar os materiais de apoio posteriormente, além de contar com a ajuda do tutor, quando disponível.


Qual destes métodos é o melhor? Aquele que atende suas necessidades! Quem busca máxima flexibilidade pode optar por apps e aulas gravadas, quem quer priorizar a interatividade, melhor pensar em presenciais e aulas ao vivo e quem quer maximizar o aprendizado realmente deve olhar para o intercâmbio. Gostou? Alors, escolha seu método favorito e comece já a aprender francês!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
IFESP

IFESP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *